Segunda Semana: Fim da Implantação e Formação do Disco Embrionário

Nas duas primeiras semanas, as células do embrião investem muito na proteção dele, porque qualquer deslize, qualquer descamação do endométrio, qualquer trauma, é fatal pro embrião.

A implantação propriamente dita do blastocisto no endométrio termina por volta do décimo segundo dia, quando toda a camada do citotrofoblasto está dentro do endométrio. No entanto, do sétimo dia (quando surge a camada de células que forma o hipoblasto) até o décimo segundo dia, vários fenômenos ocorrem concomitantes à implantação! Vamos a eles ;)

Que acontece durante a implantação??????

Então, conforme o embrião vai invadindo cada vez mais o endométrio da mãe, aquela camada externa de células chamada trofoblasto vai tendo mais contato com esse endométrio e se diferencia em outras duas camadas: citotrofoblasto e sinciciotrofoblasto:

Sinciciotrofoblasto e Citotrofoblasto

Sinciciotrofoblasto e Citotrofoblasto

O sinciciotrofoblasto é a camada de células que invade o tecido conjuntivo endometrial, ou seja, por causa da ação dele que o blastocisto consegue “se afundar” no endométrio.Ele também dá origem aos anexos embrionários, e fica secretando muitas enzimas de lise, para facilitar a implantação. O organismo da mãe também ajuda para ocorrer a implantação, porque além da atuação do sinciciotrofoblasto, acontecem os seguintes fenômenos:

  • as células endometriais (células residuais) sofrem apoptose (ai o blastocisto consegue invadir com mais facilidade, né? já que as células do endométrio vão morrendo no lugar onde ele vai erodindo, acabam morrendo);
  • há atuação de moléculas/fatores que deixam o endométrio mais receptivo, como: microvilosidades das células endometriais, moléculas celulares de adesão, citocinas, prostaglandinas, genes homeobox, fatores de crescimento e metaloproteinases da matriz;

Tem umas células chamadas de células deciduais, elas acumulam glicogênio e lipídeos (a reação decidual, que envolve essas células, será explicada melhor depois). Daí, o sinciciotrofoblasto engole essas células! São essas células do endométrio que estão em degeneração. Como elas tão cheias de glicogênio e lipídeos, elas servem como uma fonte nutritiva para o embrião.

Outra ação do sinciciotrofoblasto é que é ele quem produz hCG, hormônio importantíssimo pra estimular o corpo lúteo a continuar produzindo progesterona (senão o endométrio “cai” e o bebê morre!).

A camada de células chamada de citotrofoblasto é formada por células que possuem só um núcleo. Elas sofrem mitose, e as novas células formadas vão para o sinciciotrofoblasto! Elas se fundem quando chegam ao sinciciotrofoblasto e perdem suas membranas. É por isso que o sinciciotrofoblasto chama – se SINCICIOtrofoblasto. Já que qualquer coisa chamada sincicio quer dizer: conjunto de células que se fundem, perdem suas membranas e formam uma única massa multinuclear!  Tudo faz sentido.

E agora?

Surge o disco embrionário, que é formado por duas camadas de células denominadas hipoblasto e epiblasto. Esse disco é que vai dar origem às camadas germinativas, que vão formar os órgãos e tecidos do neném! É importante destacar que o disco embrionário tem um crescimento lendo, quando comparamos com o crescimento do trofoblasto.

Disco Embrionário: Hipoblasto e Epiblasto

Disco Embrionário: Hipoblasto e Epiblasto

O epiblasto é uma camada espessa de células colunares altas, é ela que dá origem a: mesoderma (extraembrionário e embrionário), ectoderma (do âmnio e embrionário) e endoderma (do embrião), além do processo notocordal.

Já o hipoblasto é uma camada de células pequenas e cuboides, que ficam adjacentes à cavidade exocelômica. Ele forma o endoderma do saco vitelino e, junto com o epiblasto, o mesoderma extraembrionário. Depois, esse mesoderma vai ser formado por células que surgem na linha primitiva.

Mais tarde, esse mesoderma (extraembrionário, formado pelas células do endoderma do saco vitelino) é formado por células que surgem na linha primitiva. O saco vitelino e a cavidade amniótica tornam possíveis os movimentos morfogenéticos das células do disco embrionário. (Moore) Ou seja, as células do endoderma do saco vitelino são quem forma o mesoderma extraembrionário, depois esse mesoderma vai ser formado por células que surgem na linha primitiva.

O hipoblasto fica em continuidade com membrana delgada exocelômica, e, junto com essa membrana, eles formam o saco vitelino primitivo. Nessa época do desenvolvimento, o disco embrionário fica entre a cavidade amniótica e o saco vitelino.

Enquanto o embrião vai cavando se implanta no endométrio, surge um espaço no embrião que é o primórdio da cavidade amniótica. Quando ela surge (essa cavidade amniótica), as células do epiblasto que vão formar o âmnio, chamadas de amnioblastos, se destacam do epiblasto e passam a revestir a cavidade amniótica, formando o seu assoalho (para entender melhor, tenha em mente que a cavidade amniótica primordial vai surgindo JUNTO com o disco embrionário). O epiblasto fica perifericamente em continuidade com o âmnio.No futuro da gestação, um dos fatores que é analisado é a quantidade de líquido na cavidade amniótica, dada pela proliferação das células do epiblasto (em torno do oitavo dia!).

Para recapitular: durante a implantação o trofoblasto se divide em sinciciotrofoblasto e citotrofoblasto. Depois, surge a cavidade amniótica primordial, e o disco embrionário (formado pelo epiblasto e hipoblasto). Essas camadas de células do epiblasto e hipoblasto formam as várias estruturas do embrião e os folhetos germinativos. Ok, o que mais acontece durante a implantação do embrião no endométrio?

Depois de formados a cavidade amniótica, disco embrionário e saco vitelino, surgem as lacunas no sinciciotrofoblasto. Essas lacunas (entenda espaços) são preenchidas por sangue materno e restos celulares das glândulas uterinas erodidas, essa mistura é chamada de embriotrofo. Ela atravessa o disco embrionário por difusão e fornece o material nutritivo para o embrião. Essa comunicação entre os capilares maternos com as lacunas forma a circulação uteroplacentária primitiva. O sangue materno que chega traz oxigênio e substâncias nutritivas para o neném. O sangue com oxigênio chega ao embrião (lacunas) através das artérias espiraladas do endométrio, e o sangue com menos oxigênio é removido pelas veias endometriais. Nessa época da gestação, há atuação de muitas células fagocíticas, porque há um constante remodelamento do endométrio, e também é necessário retirar as excretas do embrião e da mãe. Essas lacunas são muito importantes!! Porque, em torno do décimo segundo dia, elas se fundem e formam o que chamam de redes lacunares, que são o primórdio dos espaços intervilosos da placenta. O sangue só consegue fluir entre a rede lacunar, porque os sinusoides, que são os capilares endometriais dilatados, estão erodidos pelo sinciciotrofoblasto! Até a formação dessa rede, a maioria do sangue circulante no embrião é materno, mas logo o embrião já começa a desenvolver as suas futuras células sanguíneas.

Depois que as lacunas se fundem, o trofoblasto começa a absorver o fluido nutritivo das redes lacunares, e depois esse fluido é transferido pro embrião. Assim que ele se alimenta, antes da placenta surgir. :)

12 dias!!!!!!!!!

Como já foi dito, é em torno do décimo segundo dia que as lacunas se fundem e formam a rede lacunar! Mas, outras coisas importantes acontecem em torno desse dia.

Pra começar, é no décimo segundo dia que é possível observar uma elevação na superfície do útero, onde o blastocisto se implantou. Enquanto o blastocisto tá se implantando, ele vai erodindo o tecido endometrial, né? Isso cria uma falha no epitélio endometrial, e que vai ser corrigida por um coágulo sanguíneo (um tipo de tampão). E é no décimo segundo dia, que esse epitélio vai recobrir esse tampão. Finaliza – se assim a implantação.

Reação Decidual

Assim que a implantação é finalizada, as células do tecido conjuntivo endometrial sofrem a chamada reação decidual: aquelas células do endométrio, já citadas, chamadas de células deciduais começam a armazenar glicogênio e lipídeo. O sinciciotrofoblasto as degenera e elas passam a ser material nutritivo para o embrião.

Mesoderma Extraembrionário

Mesoderma Extraembrionário

Mesoderma Extraembrionário

O mesoderma somático extraembrionário induz as células do citotrofoblasto a produzirem extensões celulares, as quais vão crescer para dentro do sinciciotrofoblasto. Essas projeções são as que formam as vilosidades coriônicas primárias, que são o primeiro estágio para o desenvolvimento da placenta.

O celoma extraembrionário divide o mesoderma extraembrionário em duas camadas: mesoderma somático extraembrionário (que reveste o trofoblasto e cobre o âmnio) e o mesoderma esplâncnico extraembrionário (envolve o saco vitelino).

O córion, que forma a parede do saco coriônico, é composto pelo mesoderma somático extraembrionário mais as duas camadas de trofoblasto.

Que mais acontece na segunda semana?

Durante todo esse processo, o mesoderma extraembrionário (formado pelas células mesenquimais do saco vitelino, fica crescendo, e dentro desse mesoderma surgem os espaços celômicos extraembrionários. Esses espaços se fundem e formam o celoma extraembrionário. Essa cavidade preenchida por fluido envolve o âmnio e o saco vitelino, exceto onde eles estão aderidos ao córion pelo pedículo do embrião. (Moore)

Por causa da formação desse celoma, o saco vitelino diminui de tamanho. Nisso, forma – se um saco vitelino menor chamado de saco vitelino secundário. Esse saco vitelino secundário é formado por células endodérmicas extraembrionárias que migram do hipoblasto para o interior do saco vitelino primitivo. Durante a formação do saco vitelino secundário, uma grande parte do saco vitelino primitivo destaca – se. O saco vitelino não contém vitelino, mas exerce funções como ser o local de origem das células germinativas primordiais e também por transferir nutrientes para o embrião. (Moore) O saco vitelino ainda é importante por ser lá em que ocorre a hematopoiese primitiva, e também onde as células germinativas primordiais surgem (elas surgem no endoderma do saco vitelino e depois migram para dentro do embrião, como já foi discutido no tópico de diferenciação sexual). Quando o embrião fica suspenso pelo pedículo, junto com os sacos vitelino e cavidade amniótica, o celoma extraembrionário passa a ser chamado de cavidade coriônica.

Formação do Saco Vitelino Secundário

Formação do Saco Vitelino Secundário

14 dias!!!!!!!!!!!

No décimo quarto dia, o embrião tem ainda a forma de um disco embrionário bilaminar, só que nesse dia, as células hipoblásticas já são colunares e delimitam uma área que é a placa precordal, onde vai ser o futuro local da boca e um importante organizador da região da cabeça do neném.

Placa Precordal

Placa Precordal

O fim da segunda semana é marcado pelo surgimento das vilosidades coriônicas primárias. (Futura formação da placenta). Ele também é marcado pelo fato do embrião já estar bem protegido dentro do endométrio (lembre que foi dito que nas duas primeiras semanas, as células embrionárias vão fazer de tudo pra proteger o embrião!). Toda a região que fica em volta do embrião, dá espaço ao embrião começar a crescer.

Lindinho!

Lindinho!

Referências
MOORE, K.; PERSAUD, T.V.N; (2004). p. 44 a 54. Embriologia Clínica. 8ed.
About these ads

2 comentários sobre “Segunda Semana: Fim da Implantação e Formação do Disco Embrionário

  1. sou academica de enfermagem vi o seu blog por acaso, mas olha esta maravilhoso……… quem nao gostar e por que nao estuda e nao conhece a linguagem cientifica…. adoooorooo embriologiA

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s