Osteologia: Esqueleto Axial – Coluna vertebral

Definições e Observações

A coluna vertebral é composta por 7 vértebras cervicais, 12 vértebras torácicas, 5 vértebras lombares, 5 vértebras sacrais e 4 (podem variar) vértebras coccígeas. A principal função da coluna vertebral é a proteção da medula espinal, permitir a posição bípede e dar sustentação ao corpo.

Existe um modelo típico de vértebra, mas também cada tipo de vértebra tem sua especificidade. Há ainda as vértebras de transição que, embora apresentem as características das vértebras do grupo que pertence, elas começam a se aparentar com o próximo grupo de vértebra que virá.

É também muito importante citar sobre os discos intervertebrais, os quais localizam – se entre as vértebras (menos entre C1 e C2 que num tem esses discos). A principal função deles é amortecer o impacto entre uma vértebra e outra. No resumo de articulações e ligamentos, os discos intervertebrais serão melhores estudados.

A conformação normal da coluna vertebral é essa:

Coluna Vertebral

Repare que na vista lateral, percebemos que a região cervical apresenta uma curvatura lordose, na torácica uma curvatura de cifose e a lombar de lordose de novo. A lordose é uma curvatura secundária que adquirimos conforme começamos a andar, já a cifose é uma curvatura primária (embrionária). A patologia associada a essas curvaturas é quando elas estão muito acentuadas, daí surgem a hiperlordose e a hipercifose. A hiperlordose ocorre muito em gestantes no final da gestação e em muitos obesos. Já a hipercifose é reflexo da pessoa corcunda.

Quando o neném nasce, ele apresenta apenas curvatura de cifose. Conforme ele vai envelhecendo, a primeira curvatura secundária que aparece é a cervical (lordose), ela já existe no feto, mas vai se acentuando ao redor dos 3 ou 4 meses. Já a lordose lombar aparece ao redor dos nove ao décimo mês.

Outra curvatura na coluna, mas nesse caso é patológica, é a escoliose.  A coluna fica parecendo um S.

Curvaturas da Coluna

Vértebra Típica

Vértebra Típica

Os componentes presentes em uma vértebra típica são:

  • corpo vertebral: parte de sustentação de peso da vértebra e está ligado a corpos vertebrais adjacentes por discos intervertebrais e ligamentos. O tamanho do corpo vertebral aumenta inferiormente (porque o peso a ser sustentado aumenta).
  • forame vertebral: em conjunto, formam o canal vertebral (contem e protege a medula espinal).
  •  arco vertebral: composto por dois pedículos (pilares ósseos que fixam o arco vertebral ao corpo vertebral) e por duas lâminas (camadas plantas de osso que se estendem de cada pedículo para se encontrarem na linha média e formarem o teto do arco vertebral.
  •  processo espinhoso: local para fixação de músculos e ligamentos
  •  processo transverso: local para articulação com as costelas na região torácica.
  •  processos articulares superior e inferior: se articulam com os processos articulares inferior e superior, respectivamente, das vértebras adjacentes.
  • os forames intervertebrais são as aberturas formadas pela articulação de duas incisuras vertebrais e eles permitem que estruturas como nervos e vasos sanguíneos entrem e saiam do canal vertebral.

Vértebras Cervicais

vértebra cervical típica

Vértebra Cervical Típica

Primeiro, vamos falar das vértebras cervicais em geral, e depois partimos para as duas exceções importantes: áxis e atlas.

  • corpo vertebral curto em altura e formato quadrado;
  • o tamanho pequeno dessas vértebras é pra possibilitar que movimentos finos possam ser realizados;
  • processo espinhoso curto e bífido; Os processos espinhosos das vértebras cervicais são finos, porque tem os ligamentos nucais, que servem como ponto de ancoramento de músculos para que eles se ancorem bem na região da linha média, daí num precisa de processo espinhoso grande. Isto é, os músculos da região cervical são tão fortes que eles suplementam a falta do processo espinhoso grande!
  • processo transverso furado por um forame transversário redondo;
  • forame vertebral tem formato triangular;

As duas primeiras vértebras cervicais são exceções entre as vértebras. A primeira vértebra é a chamada Atlas (tem esse nome em homenagem ao deus Atlas que segurava o mundo, nesse caso, o mundo seria o crânio). E a segunda vértebras é o áxis. Ambas são responsáveis pelo movimento da cabeça! Esse movimento só é possível pela conformação dessas duas vértebras.

Atlas e Áxis

Atlas

  • não possui corpo vertebral!!!
  • presença de duas massas laterais que se conectam pelo arco posterior e pelo arco anterior. Superiormente, cada uma dessas massas laterais se articula com o crânio (côndilo occipital), e inferiormente elas se articulam com o processo articular superior do áxis.
  • a articulação entre o atlas e o côndilo occipital é chamada de atlantooccipital, e ela é a responsável pelo movimento de “sim” com a cabeça!
  • a superfície posterior do arco anterior tem uma fóvea articular para o dente do áxis.

Áxis

  •  o dente do áxis atua como pivô que permite que o atlas e a cabeça fixada rodem sobre o áxis, no sentido lateral, ou seja, permitindo o movimento de “não” com a cabeça;
  • As duas superfícies supero-laterais do dente possuem impressões circulares que servem como pontos de fixação para os fortes ligamentos alares, que ligam o dente às superfícies mediais dos côndilos occipitais. Estes ligamentos alares limitam a rotação excessiva da cabeça e do atlas em relação ao áxis (ou seja, impede que a gente consiga rodar a cabeça que nem a menina do Exorcista!)

  • o dente do áxis é mantido na posição pelo forte ligamento transverso do atlas;

Vértebras Torácicas

Vértebra Torácica

Vértebra Torácica

  • caracterizadas pela articulação com as costelas;
  • corpo vertebral em forma de coração;
  • cada processo transverso também tem uma fóvea (fóvea costal do processo transverso) para articulação com o tuberculo de sua própria costela;
  • duas fóveas parciais (fóvea costal superior e inferior) que articulam com a cabeça de sua própria costela e com a cabeça da costela debaixo;
  • processo espinhoso é meio “caído”, verticalizado;

Vértebras Lombares

Vértebra Lombar

  • conhecidas pelo seu grande tamanho;
  • corpo vertebral em formato riniforme (formato de rim);
  • o processo espinhoso da vértebra lombar é mais grosso, porque serve para o ancoramento da musculatura lombar, que sustenta o peso do corpo. Sem esses processos, o corpo não conseguiria ficar ereto. Os músculos dessa região também têm que ser fortes para deixarem a espinha ereta!
  • presença do processo mamilar;
  • OBS: os espaços entre lâminas e processos espinhosos adjacentes tornam – se cada vez mais largos a partir da vértebra L1 até a vértebra L5, e são ainda maiores quando ocorre a flexão da coluna vertebral. Estes espaços permitem acesso relativamente fácil ao canal vertebral para procedimentos clínicos, tais como a punção lombar:

Punção Lombar

Essa punção serve para conseguirmos uma amostra do líquido cerebrospinal para  finalidades de diagnósticos. Saber a anatomia nesse procedimento é essencial para que ele seja bem feito e sem riscos.

Vértebras Sacrais

Sacro e sua Posição na Pelve

  • as vértebras sacrais são fundidas em um único osso, formando o sacro, o qual se articula com a pelve;
  • a fusão das vértebras sacrais ocorreu, porque o sacro não precisa ter movimento, aliás, ele não pode ter movimento, pois ele se articula com a estável pelve, cujo movimento é bastante limitado. Totalmente diferente da coluna vertebral, que é extremamente móvel e instável.
  • os forames sacrais servem para a passagem dos nervos espinais S1 a S4;
  • outros acidentes anatômicos: face auricular (articulação com o osso do quadril), canal sacral, tuberosidade sacral, crista sacral lateral, intermédia e medial, hiato sacral e corno sacral, superfície articular lombossacral, promontório, ápice e base sacral.

Vértebras Coccígeas

  • 4 vértebras fundidas (pode variar) formam o cóccix. É um resquício embrionário, se fôssemos cachorrinhos, o cóccix formaria nosso rabo, mas num é o caso. Nada mais de importante sobre ele.
Clínica

Espinha bífida: dois lados dos arcos vertebrais, geralmente nas vértebras inferiores, deixam de se fundir durante o desenvolvimento, resultando em um canal vertebral aberto.

Espinha Bífida

Referências
DRAKE, R. et alli; (2005). p. 26 a 38. Gray's Anatomia para Estudantes. 3a tiragem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s